Ter ideias sobre o que publicar nas redes sociais e/ou num blog não é uma tarefa fácil para muitos empreendedores. E isto é algo que afeta não só quem está a começar como também quem já tem um negócio há mais tempo.

Se, antes de estarmos confinados às nossas casas devido à COVID-19, a presença no digital já era obrigatória, agora torna-se ainda mais premente. Os websites das marcas e as suas redes sociais são agora as montras mais acessíveis, motivo pelo qual devem ser (bem) alimentadas com regularidade e consistência.

Portanto, se a produção de conteúdo é algo que te deixa com os nervos à flor da pele por nunca saberes o que publicar, neste artigo vou explicar-te como é que teres um banco de ideias vai facilitar a tua rotina de criação de conteúdos.

Banco de ideias: O que é e para que serve

Um banco de ideias consiste num conjunto de recolhas que fazes (idealmente) todos os dias e que te servem de inspiração para a tua produção de conteúdo. Ao reunires num só local – físico ou digital – todas as tuas fontes de inspiração, vais conseguir aceder-lhes mais facilmente sempre que te preparares para planear e/ou criar os teus conteúdos.

Mulher ao computador a produzir conteúdos.

Como criar um banco de ideias para facilitares a tua produção de conteúdo?

Criar um banco de ideias nada tem de complexo. Apenas precisas de um caderno e uma caneta, se fores adepta do papel. Ou então, se preferires o digital, precisas de uma ferramenta de captura: um simples bloco de notas digital, como o Google Keep, por exemplo, ou uma ferramenta como o Evernote ou o Trello se quiseres elevar o teu nível de organização digital.

Pessoalmente, considero o digital mais prático e eficaz devido ao elevado número de informações que chega até nós diariamente. Com meia dúzia de cliques no smartphone, guardamos qualquer referência que nos pareça importante e útil para a nossa produção de conteúdo. O digital permite, por isso, guardar as nossas inspirações de uma forma muito rápida – basta tirar uma fotografia a uma imagem ou a uma citação ou fazer um simples print screen e guardar no sítio certo. Além disso, o digital permite ainda localizar a informação com muito mais facilidade quando necessário, se tivermos o cuidado de manter o nosso banco de ideias organizado.

O que colocar num banco de ideias?

Tudo. Tudo o que te inspire e que possa servir como ponto de partida para a produção dos teus conteúdos. E, quando digo tudo, é tudo mesmo: uma imagem, uma frase, um infográfico, um artigo, uma pergunta, um comentário, um livro, uma conversa, uma situação… tudo. Além do simples registo e recolha da inspiração, deves também deixar uma pequena nota acerca daquilo que te inspirou – que ideia te surgiu com aquela referência? Como pensas usá-la no futuro?

Isto não te vai levar mais de 2 ou 3 minutos e, garanto-te, adianta-te muito trabalho quando quiseres planear e criar os teus conteúdos.

Como organizar o banco de ideias?

Para que o teu banco de ideias para produção de conteúdo seja verdadeiramente eficaz, é preciso que esteja minimamente organizado.

Manteres o teu banco ideias organizado vai ajudar-te a aceder à informação mais facilmente e, consequentemente, poupar-te tempo e esforço mental.

Na fase de recolha, preocupa-te apenas em registar tudo aquilo que te pareça poder vir a ser útil. Depois, regularmente, deves revisitar as tuas capturas e avaliar se ainda fazem sentido para ti. O que já não considerares pertinente, elimina.

Podes organizar as tuas inspirações de diferentes formas, mas estas duas são as minhas preferidas:

  • Tipo (Imagens, Citações, Infográficos, Artigos, Comentários/Questões, Feedback de clientes e Outros, por exemplo) – tu serás a melhor pessoa para avaliar quais as categorias que mais sentido fazem para ti, mas acredito que estas são um bom ponto de partida.
  • Tema – aqui as tuas opções estarão sempre relacionadas com a tua área de atuação. Por exemplo, no meu caso, que trabalho com a escrita de conteúdos, divido as minhas referências pelos seguintes temas: Copywriting, Marketing de conteúdo, Empreendedorismo, Produtividade e Gestão de Tempo, Criatividade…. Depois, quando coloco uma referência em determinado tópico do meu banco de ideias, identifico no título o tipo a que pertence (se é uma imagem, uma citação, uma questão…).

Mais uma vez, o digital ajuda muito à organização das capturas. Quer na categorização das referências, quer depois na sua pesquisa ou ainda no espaço ocupado. E ainda que ande sempre com um pequeno caderno para todo o lado, já não me imagino sem o digital para guardar as referências que vou recolhendo.

Mulher com smartphone, produz conteúdos com o seu banco de ideias.

Como usar o banco de ideias?

Como já referi, o banco de ideias deve ser alimentado diariamente. Mas enquanto esse hábito de registar tudo aquilo que pode servir de inspiração ainda não está implementado, pode ser útil reservar alguns períodos para procurar essa inspiração.

Pode ser a rever um determinado livro, a ler blogs da especialidade, a consultar perfis que tenhamos como referência nas redes sociais, a ler newsletters ou mesmo a aplicar algumas ferramentas para gerar ideias.

No dia 23 de abril, quinta-feira, estive no MuDA – Mulheres de Ação a falar exatamente sobre como podes mudar o teu processo criativo com o auxílio de 3 ferramentas para gerar ideias para conteúdos. Se tens interesse sobre o tema, junta-te ao grupo e assiste à minha Conversa!

Depois do processo de recolha de referências e da sua organização para que as possamos localizar de forma prática e rápida, há que saber como usar o banco de ideias.

O banco de ideias pode ser consultado em dois momentos:

  • aquando do planeamento dos conteúdos;
  • aquando da criação dos conteúdos.

Para o planeamento de conteúdos, a consulta do banco de ideias ajuda-nos a perceber os tópicos que queremos tratar durante o período que estamos a planear. Nesta altura, podemos, desde logo, desenvolver um pouco mais cada uma das ideias recolhidas e, assim, deixar algum trabalho adiantado para a fase da criação.

Consultar o nosso banco de ideias durante o planeamento também nos permite saber se precisamos de reforçar o nosso stock de ideias e, se tal for necessário, desenvolver uma estratégia para o fazermos em tempo útil.

Cria conteúdos com mais facilidade

Mas o banco de ideias também é relevante no momento da criação dos conteúdos. E ainda que eu aconselhe sempre um planeamento cuidado e atempado, pois é isso que vai potenciar os teus resultados em termos de qualidade e consistência, sei que, às vezes, pode haver tendência para saltar este passo e passar diretamente para a criação.

Pois bem, então, se isto é algo que tu costumas fazer, um banco de ideias é ainda mais importante para não ficares imenso tempo a pensar no que publicar. Quando nos sentamos para escrever os nossos conteúdos, é isso que devemos fazer – escrever – e não ficar ainda a pensar no tópico que vamos tratar.

Recorrer ao banco de ideias neste momento pode ser um penso rápido para que a produção de conteúdos seja mais célere e menos penosa.

Caso tenhas feito o teu planeamento com antecedência, e dependendo da forma como o fizeste, o banco de ideias deverá servir como um apoio extra no momento da criação, dando-te indicações concretas acerca daquilo que deves tratar.

Concluindo…

  • Um banco de ideias consiste na recolha de referências inspiracionais para a tua produção de conteúdo.
  • Podes criar o teu banco de ideias num simples caderno, mas as ferramentas digitais são mais práticas e flexíveis.
  • O teu banco de ideias é o local onde deves guardar todas as tuas fontes de inspiração, devidamente organizadas.
  • Faz uma triagem e uma limpeza ao teu banco de ideias com regularidade.
  • Usa o teu banco de ideias na fase de planeamento e na fase de criação dos teus conteúdos para tornares o processo mais célere e fluido.

Já conhecias esta sugestão do banco de ideias? Achas que pode facilitar a tua produção de conteúdos? Partilha comigo a tua opinião.

(Gostaste deste artigo? Faz pin desta imagem e guarda-o no teu Pinterest.)
Imagem para Pinterest sobre produção de conteúdos com um banco de ideias